Onde todos podem uivar o que quiserem... vejam por mim!

22
Jul 04
Já repararam que as pessoas deixaram de se encontrar?
Não?Ok...então é porque andam a ver navios!

A chegada do computador, feliz ou infelizmente trouxe até nós algumas ferramentas que nos permitiram manter contacto à distância com familiares e amigos sempre que queremos e que não custam tão caro como uma chamada telefónica. O mail, os chats e agora até os blogs... espaços de conversa informal, onde para além de amigos até se pode falar relaxadamente com desconhecidos e fazer novas amizades. Novos conhecimentos... ok, até aqui nada de novo não?!

Mas se não se passa do virtual à acção...então não estaremos a perder os amigos de antes e os que haviamos conquistado virtualmente?

Subitamente a distância deixou de ser a barreira. A vontade é!

As pessoas acham que enviar um mail ou falar via net é o suficiente para manter amizades, ou conhecidos. Olhar nos olhos tornou-se muito dificil. Há muitas verdades que se escondem por detrás de um pestanejar, de um trejeito ou de um sorriso. E subitamenteas pessoas deixaram de ter coragem para os mostrar.

tentam assim simplificar a coisa...virtualmente. E normalmente as coisas não correm lá muito bem, pois a presença física trás pequenas vantagens que não existem no mundo virtual!

Não estou a dizer que não há vantagens...claro... (ninguém as nega!)
Mas não se estarão a perder os velhos valores da amizade através deste instrumento frio, que, sem querer, por vezes, causa tantas discussões porque uma frase pode ser lida de mil e uma maneiras!?

É que aqui não há o olhar, o gesto ou o trejeito para tornar as coisas mais leves ou complicadas.

Quem não se sabe expremer bem, está literalmente feito em sumo, passado alguns minutos de conversa, porque os mal entendidos, quando já há uma amizade forte surgem de um momento para o outro!

Descobri que é assim que se perdem as amizades...
Elas vão ficando cada vez mais distantes...
Fugidias
Sem valor...
e subitamente já nem apetece telefonar a dizer olá...manda-se um mail. Chega!

A distância, que antes era a desculpa não tem já razão de ser...
A vontade é-o!
E como se perdeu a vontade no século XXI!
publicado por Psyhawk às 00:00

8 comentários:
É tão bonito escrever... mas falar cara a cara...
para isso não há coragem...nunca houve!
Mas quem sabe agora se arranje.
Amiga susana, cá estou á espera dessa coragem... de quem cresceu! Telefone...que eu marcarei o encontro!Psyhawk
</a>
(mailto:hugoalves@netcabo.pt)
Anónimo a 23 de Julho de 2004 às 23:05

Como é bonito escrever a verdade às pessoas. Pena que não se consiga usar o mesmo método com nós próprios. Como deve ser fácil escrever palavras que magoam com apenas a proximidade de um ecrã de computador e um teclado, sem sonhar em sequer dizê-las frontalmente. Realmente há mesmo pessoas que nunca mudam, por muito que envelheçam e que "cresçam".

Querido, repito tudo o que escrevi anteriormente porque me parece que faz ainda mais sentido agora. E faz-me um favor, não ligues...
mandras
</a>
(mailto:mandras@iol.pt)
Anónimo a 23 de Julho de 2004 às 20:58

Eu como tua amiga (se é que ainda tenho o direito de me considerar como tal porque não te telefono todos os dias nem te acompanho nas tuas idas semanais ao cinema e aos demais sítios da moda, portanto também sou certamente visada neste texto) só tenho pena que tu não cresças e que continues a portar-te como se tivesses 18 anos acabado de entrar na faculdade e achas que tudo deveria continuar igual. Acho que serias bem mais feliz se te comportasses de acordo com a idade que tens e não fingisses eternamente que és uma criança. Falas do Herman mas eu aposto tudo o que quiseres em como estás rapidamente a caminhar para lá, ele chegou aos 50 e apeteceu-lhe pintar o cabelo e fazer o que sempre lhe apeteceu fazer na vida, ou seja, portar-se como se tivesse menos 20 anos. O que criticas nele é precisamente o que tu próprio fazes, tentar fazer parar o tempo.

E quereres cobrar a toda a gente presença física só porque precisas de te sentir sempre acompanhado é triste. Não é triste envelhecer mas é triste envelhecer sozinho e com estas conversas recorrentes (sim, porque deve ser praí a trilionésima vez que falas no assunto) e só prova que é exactamente assim que estás a ficar. Pois para mim, quanto mais cobras menos vontade as pessoas têm de passar a vida a apaparicar-te. É uma pena que não compreendas que se pode ter a maior amizade do mundo com pessoas que até se podem só encontrar 2 vezes por ano porque uma coisa que tu ainda não conseguiste aprender é que as verdadeiras amizades não se cobram. Pois as minhas são assim e felizmente as amizades em causa não se queixam, muito pelo contrário, souberam crescer na altura certa, e sabem comportar-se de acordo com a idade que têm. Não passam a vida a chorar pelos cantos, ninguém me liga, ninguém me liga... porque souberam encarar a vida com ela é e entrar nos 30 como tem de ser, e têm família e têm amigos como toda a gente e principalmente, são felizes assim.

Se precisas de estar diariamente com os teus amigos para os considerar amigos, então tenho pena, os teus melhores amigos devem ser os teus colegas de trabalho mesmo o que não é necessariamente mau mas pode não chegar, se só dás valor a quem está sempre fisicamente presente na tua vida e constantemente cobras a quem não está, ainda tenho mais pena. Se tivesses um mínimo de responsabilidade na vida além de acordar e ir trabalhar, talvez desses outro valor a outras coisas. A vida é mesmo assim, encontros e desencontros. Lá numa coisa tens razão, nestes "meios frios" podem aparecer mal-entendidos difíceis de ultrapassar mas ultrapassáveis, desde que a amizade seja mesmo verdadeira. Mas até parece que é só por mal entendidos por mail que já perdeste amizades...

Por isso, olha, desculpa qualquer coisinha, abstive-me de comentar até aqui mas este não podia deixar passar. Espero que ainda vás a tempo de dar valor ao que realmente importa e podes ter a certeza que o que importa não é falares com toda a gente todos os dias, nem fazeres jantaradas semanais. Não é assim que se descobrem os verdadeiros amigos, muito pelo contário. Os verdadeiros amigos são os que não cobram, estão quando é preciso e basta saberes que estão lá. Se calhar não tens nenhum desses e daí a tua revolta. Eu felizmente tenho. E até se podem passar anos mas sei que se pegar no telefone e ligar é como se ainda ontem tivéssemos falado e tudo continuasse na mesma. E ninguém me cobra nada nem eu cobro nada. Aliás, como todas as pessoas que souberam crescer. Simplesmente sei que estão lá para mim se precisar e esse é um conforto a que acho que tu não sabes dar valor porque simplesmente não sabes o que é mas principalmente porque não te esforças por isso. Tenho pena.

Correndo o risco de ser agora completamente riscada do mapa, lamento mas tinha mesmo de te dizer isto. Para teu próprio bem.Susana
(http://www.circodeferas.blogspot.com)
(mailto:susanacamacho@netcabo.pt)
Anónimo a 23 de Julho de 2004 às 14:23

Concordo contigo. Acho q muitas pessoas aproveitam as novas tecnologias p dizer o q n teriam coragem pessoalmente. Quanto às amizades, n te esqueças q p as manter n basta a vontade de uma das partes...Ana M.
</a>
(mailto:anasmonteiro@zamil.pt)
Anónimo a 23 de Julho de 2004 às 10:01

Hugo,

Sorry mas não resisti e resolvi enviar-te este texto...
Acho que diz muito...

Jokas


O que realmente perdura!

QUANDO
>
>
> Quando o meu corpo apodrecer e eu for morta,
>
> continuará o jardim, o céu e o mar,
>
> e como hoje igualmente hão-de bailar
>
> as quatro estações à minha porta.
>
>
>
> Outros em Abril passarão no pomar
>
> em que tantas vezes passei,
>
> haverá longos poentes sobre o mar,
>
> outros amarão as coisas que eu amei.
>

>
> Será o mesmo brilho, a mesma festa,
>
> será o mesmo jardim à minha porta
>
> e os cabelos doirados da floresta,
>
> como se eu não estivesse morta.
>>
> SOPHIA DE MELLO BREYNER,1919-2004,
Dia do Mar, 1ª edição, 1947 (?)
>
>
> Durante as cerimónias fúnebres de
SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN
(Basílica da Estrela, Lisboa, 2004-07-04),

seu filho MIGUEL DE SOUSA TAVARES leu
este poema, que classificou de
«um hino à continuidade da vida»,
e terminou a leitura com as palavras
«Obrigado, Mãe»
>

> Miguel Sousa Tavares...
(Escritor português a propósito da perda
de sua Mãe, a grande escritora Sophia
de Mello-Breyner)
>

> "... E de novo acredito que
nada do que é importante se
perde verdadeiramente.

> Apenas nos iludimos, julgando ser
donos das coisas, dos instantes e
dos outros.

> Comigo caminham todos os mortos que amei,
todos os amigos que se afastaram,
todos os dias felizes que se apagaram.

> Não perdi nada, apenas a ilusão de que
tudo podia ser meu para sempre."
>Ana Abreu
</a>
(mailto:a-abreu@chrono-inter.com)
Anónimo a 23 de Julho de 2004 às 09:02

fices= fiquesAna
</a>
(mailto:a-abreu@chrono-inter.com)
Anónimo a 23 de Julho de 2004 às 08:50

Hugo...

Já tentaste ver as coisas por outro prisma?!?!

Ou seja o lado POSITIVO da questão?!?!

Já pensaste que as pessoas sempre se afastaram e que agora com um simples mail conseguem estar mais perto!?!?

Eu acredito sinceramente que o rumo de vida das pessoas tende a convergir e a divergir naturalmente e sem razões inequivocas para que tal aconteça... Antes as pessoas afastavam-se e davam-se ao "trabalho" de telefonar nos aniversários e no Natal... e olha que já era... agora com o mail conseguem ter uma presença e um elo de ligação mais estreito... claro que a proximidade fisica é importante mas não é tudo...

Sendo a vida um "momento" tenta aproveitar o que há de melhor e não fices a repisar em coisas que dificilmente podes alterar....

Sabes que mais?!? Acredito que quando se gosta de alguém de verdade não é por não estarem todos os dias juntos (fisicamente) que esse sentimento se altera... e digo-te mais nem mesmo quando se perdem definitivamente as pessoas, se deixam de amar!

Jokas
AnaAna Abreu
</a>
(mailto:a-abreu@chrono-inter.com)
Anónimo a 23 de Julho de 2004 às 08:48

Mas há sempre quem tem vontade e dá um jeito e é por esses que vale a pena encontrar tempo. Os outros.. Olha que fiquem com a sua falta de vontade, decerto que a usam para outras coisas que eles consideram importantes. Não acho que deves perder tempo com estas coisas. Só faz falta quem está e quem se manifesta e como há sempre alguém que consegue fazer isso mesmo, temos que chegar à triste conclusão que há algumas pessoas mais dotadas emocionalmente do que outras. Na minha modesta opinião há que dar atenção a essas e não perder tempo com as outras. Porque na verdade, e isto pode ser um choque para alguns, o nosso tempo também é precioso.
mandras
</a>
(mailto:mandras@iol.pt)
Anónimo a 22 de Julho de 2004 às 23:10