Onde todos podem uivar o que quiserem... vejam por mim!

30
Nov 06

Longe vão os tempos da Maria, em que me queixava, semana sim, semana sim do muito trabalho que tinha. Mudam-se os tempos, mudam-se os locais de trabalho, e um ano depois olho de novo para este blog e o tema repete-se...

Deus!

publicado por Psyhawk às 13:50

28
Nov 06

Podia ter conseguido falar com ela, mas deixei escapar.

Podia hoje ter metido conversa com uma estranha no metro e deixei-a fugir.

 Podia, devia, queria... o passado imperfeito parece nos últimos tempos fazer parte da minha vida.

Nada é hoje, tudo já passou.

Pode parecer quase ridículo, e eu tenho a certeza que o é, mas há uns tempos escrevi por aqui, já não me lembro bem onde, que parecia que tinha empedrecido. Me tornado uam espécie de pedra cinzenta! Que o meu coração embora batesse, só o fazia por razãoes minimamente anatómicas. O sentimento, aquilo que o torna vermelho sangue e nos faz andar nas nuvens,  esse estava algures, escondido, fechado, eu sei lá...

Era como se toda aquela onda avassaladora que sempre senti quando este coração batia como se 1000 cavalos de corrida o puxassem,  se tivesse transformado numa simples brisa marítima, daquelas que nem estragam as dunas da praia.

Onde foi parar o sentimento?

Onde ficou o brilho dos olhos, o palpitar do coração, a incapacidade articular uma frase como deve ser, e ter os pensamentos algo perversos mas engraçados?

Onde está tudo aquilo que sempre me fez vibrar, que me fez querer agarrar a vida com mais força, lutar por ficar ao lado de alguém?

Terá ido de férias? Viajado para o norte do pais? Enterrado-se nas areias do deserto?

Expliquem-me, porque começo a ficar confuso com este coração que bateu a última vez há muito tempo...e desde ai fechou para obras.

E acho que são piores que as de Santa Ingrácia!

publicado por Psyhawk às 23:34

26
Nov 06

Os actores são basicamente desconhecidos, a história já não é nova e ninguém é um ás na representação, mas a verdade é que este Step Up é perfeito para uma tarde de cinema.

Simples, sem querer mais do que o que dá, conta a história meio Romeu, meio Julieta, muito engraçada, e com boas prestações musicais. Para quem gosta de hip hop, e ambiciona que as nossas discotecas deixem rapidamente de lado os martelos, para os quais já não há a mínima pachorra.

Há romance, paixão, muito movimento e coragem...

Que foi o que não tive. Fui, mais uma vez sozinho ao cinema, e eis que ao meu lado, também sozinha, se senta uma miuda giríssima. Pensei duas ou três vezes meter conversa com ela, mas como é meu costume não tive a mínima coragem. BURRO! Assim deixei-me ficar ali a pensar que dali poderia nascer uma bela amizade, como no filme...mas não step up... não avencei. ESTÚPIDO! Típico da minha pessoa...muita conversa, muito pensamento, pouca acção!

Por isso mesmo fica aqui mais uma foto do filme

Para eu me lembrar para não ser tão estúpido!

Enfim...ao menos o filme não foi nada mau e agora estou sacar a banda sonora.

publicado por Psyhawk às 12:07

Não importa o quanto me irrite com a minha amiga Mandras, que acabamos sempre por passar o tempo juntos na risota e a fazer comentário parvos. N´so somos aquilo que se chama, verdadeitos amigos!

Ontem, dia em que a PANG (Puta da Árvore de Natal Gigante) foi inaugurada lá fui eu para a Praça da Alegria para um jantarzito todo catita! Esquecia-me era que devido à inauguraçãozita, made in SIC, Lisboa voltava a estar mergulhada no caos. Afinal, embora toda a gente saiba que as ruas de Lisboa já não aguentam tanto carro, não souberam ir ver a arvorezita piscar, e provavelmente ver mais uma actuação da PDF (Puta da Floribella- Não tenho nada mas tenho uma árvore de natal gigante- vomitemos!), sem se deslocarem para o centro de Lisboa de popó. O resultado? Um caos desgraçado com toda a gente a gritar, a espernear e a chatear-se sem razão nenhuma! Enfim..same old, same old. Meninos e meninas, se não sabem, existem tranportes públicos, alguns até bastante rápidos, por exemplo o metro,  que vos levam ao Centro de Lisboa...é verdade sim senhor! E acreditem, isto que estou a dizer não é nada de novo!

Claro que se apanharem o deficiente que me levou aqui da minha casa para o Marquês o mais certo é chegarem, lá daqui a uns 20 anos! O homem ia a 10 à hora. Morrendo por cada quilómetro que passava. E para cúmulo ainda resolveu fazer uma paragenzita ali no Aeroporto para dar uma coisa a um colega. Logo ficámos ali uns bons 10 minutos parados, sem razão nenhuma. Depois acham estranho que as pessoas digam os piores impropérios aos condutores deste meio de transporte. ESTúPIDOS!  Os motoristas da carris deviam ser todos electrocutados!

Felizmente o saldo da viagem foi positivo com muita risota num restaurante Indiano, que apesar de a abarrotar, a minha bela cutis, levou a que conseguissemos em menos de um minuto, o desejado lugar. Já sabem, quando quiserem um lugar num restaurante, mesmo que este eseja a deitar pessoas pelas janelas,  lembrem-se de mim. Eu consigo qualquer coisa... (eh eh eh ehe)

Jantámos que nem uns alarves, com muito pãozinho indiano com alho, muita coisa tikki, muita galinha em molhanga boa, arroz de ovo e com montes de especiarias...uma delícia que acabou com uma marcha em câmara lenta para casa, já que tava tudo mais cheio que nem um odre! LOL

Enfim...uma noite de sábado porreira.

Agora, que venham os jantares de Natal! LOL

OH OH OH MERRY CHRISTMAS!

publicado por Psyhawk às 11:46

24
Nov 06

Hoje o tempo estava para tudo menos brincadeiras!

Eu só me escapei a uma bela molha nem, sei como tal.

O meu chapéu é que coitadinho jamais será o mesmo pois virou e revirou mais vezes que a montanha russa. Ó tempinho vingativo. Era vento, era chuva, era cheias... eu ainda para mais levei com tudo já que a caminho de casa o panorama era mais ou menos como estas fotos abaixo ilustram

Era inundações por todo o lado e demorei a chegar a casa apenas 2 horas e pouco.

O metro semi fechado (excepto para uma amiga minha que foi das poucas pessoas que conseguiu andar na linha vermelha sem problemas), as estradas um caos e eu molhadinho que nem um pinto...

Já disse que odeio chuva!

publicado por Psyhawk às 21:40

Realmente eu ontem estava de consumo reduzido. Verdadeiramente vergonhoso. Doia-me tudo e mais alguma coisa, a cabeça parecia estar em outro local cheia de dores, e o nariz parecia uma torneira de ranho. Mesmo assim, a profissão assim obriga, e lá fui eu a caminho de uma entrevista que temi saisse uma bela cagada!

Felizmente  a convidada era deliciosa, um amor e eu sabe-se lá como lá fui melhorando. Depois de uma produção fotográfica, de que me orgulho bastante, pois está lá a minha mãozinha, lá me endireitei e fiz uma entrevista,que modéstia à parte foi muito bem conseguida, pois pus a rapariga a falar de tudo, desde a infância aos medos de hoje, passando pela familia, crianças, relação que mantém com outro actor...tudo. Palmas para mim, pensei!

Assim rumei ao Vasco da Gama, feliz comigo mesmo, mais feliz e com a cabeça mais leve, para ver o Casino Royale.

Tudo correu bem exactamente até ás 23h57... estava a preparar-me para sair do cinema, e olhei para a cadeira do lado vaga, onde eu e as minhas companhias tinhamos depositado as malitas, casacos, chapéus de chuva e afins.

Olho para lá...e onde estava a minha mala?

Ia morrendo! Tinha desaparecido.

A minha cabeça, ainda que meio baralhada com a situação obrigou-me a correr cinema fora (deixando as minhas companhias meio aparvalhadas com tudo), empurrando todos os que queriam sair, para ir direito a um segurança do centro comercial... só que tinham desaparecido todos!

Não fossem as minhas duas amiguitas teria enlouquecido. Procurei todos os sítios e mais alguns até que uma delas me telefonou a dizer que estava com um dos ditos seguranças e que sim...tinham a mala.

Corri...não, voei até elas para ir ter com o homenzinho, para ser submetido a um interrogatório. Queria saber o que lá tinha dentro, como era a mal, porque a tinha deixado ali...eu sei lá!

Eu baralhado, com a cabeça outra vez a doer,  descrevi a mala e disse que lá dentro estavam dois dos bens mais preciosos ao cimo da terra: o gravador e duas agendas onde figuram todos os números que consegui arranjar ao longo destes 10 anos que sou jornalista. Por isso ela tinha que voltar à minha posse...JÁ!

Tudo correu bem...e estava tudo dentro da malita. pelos vistos ainda há boas pessoas em Portugal. Alguém reparou que a deixei na zona das comidas e correu a ter com um segurança a explicar a situação. E nem olhou lá para dentro, porque continuava fechada, num caos, como eu a tinha deixado e com tudo lá dentro...

Tu, desconhecido, obrigado.

Salvaste-me do Manicómio, onde certamente iria parar caso as agendas e o gravador tivessem desaparecido!

publicado por Psyhawk às 21:20
sinto-me: Doidão!

Pois é, fui ver ontem o Casino Royale apesar da carraspana que tinha. Mas a vontade foi maior do que os atchins, as dores de cabeça e maleitas do corpo. Vai dai saltei até às salas do Vasco da Gama para ver o novo Bond.

Confesso que ia a medo ver esta pelicula. As críticas tem sido muito favoráveis, e isso para mim, é normalmente um ponto negativo. Quer dizer que o filme é muito intelectual, pouco claro e que só meia dúzia de génios vão perceber como é que a coisa realmente funciona. E como a do Rui Pedro Tendinha (crítico que abomino e gostava de ver morto dentro de um lago cheio de enguias eléctricas e tubarões) era mesmo muito boa temi mesmo o pior!

Assim apreensivamente lá comecei a ver o filme.

O que nos salta á vista é que Daniel Craig não é o James Bond habitual. Falta ali qualquer coisa...ou há algo a mais...

Tendo em conta que esta é uma prequela não faltam erros mil de história e continuidade (nomeadamente a M), mas já estava pronto para isso. No entanto a intriga e o actor dão tanta verosimilhança à história que subitamente estamos nela imersos. Daniel dá o tudo por tudo, e apesar de não ser nem o Sean Connery, o Pierce Brosnan ou até o Roger Moore (os outros dois são dispensáveis) dá-lhe um toque rude, bruto e ao mesmo tempo sensual, que nos faz ver Bond de outra perspectiva. E no fim concluimos que o casting, embora não perfeito estava quase quase lá...faltava um danoninho!

No entanto para mim 007 é significado de paisagens luxuriantes, histórias mirabolantes, um vilão asqueroso, um handiman idiota mas poderoso e mulher mais que bela.

E é isto que falta a Casino Royale.

Porque o resto está lá... Falta o sexual, uma história que nos leve a mergulhar profundamente naquela ameaça, um vilão verdadeiramente temível (o Le Chifre é tudo menos temível!)... e as gajas. Havia tanto por onde escolher, e sem ser a vilã louraça, o resto está verdadeiramente áquem de uma Bond Girl.

Não é brilhante, mas podia ser bem pior. Vale a pena a curiosidade!

 

 

 

publicado por Psyhawk às 21:08

23
Nov 06

Ás oito e meia ouço ao longe uma buzina. O som vai aumentando até se tornar tão insuportável como uma buzina dos bombeiros, quando há fogo. Lentamente e á força lá abro os olhos. A cabeça dói-me. E não é de ontem, ter ido para a farra. O corpo grita, a boca sabe a seco... em segundos chego à conclusão: continuo doente! No entanto, e porque não se pode ser sempre feliz, chego também à conclusão que hoje não posso ficar em casa: entrevista importante a caminho. Mas porquê?! Não podia hoje ser sexta feira e eu ficar em casa a curtir a minha semi gripe?!

Arrasto-me até à casa de banho para ver se as coisas melhoram. O banho ajuda, mas assim que a água deixa de cair, bem quentinha, em cima de mim, o corpo volta a queixar-se. Porque é que não ficas em casa, pede ele? Realmente porquê? Quem me manda a mim ser responsável, querer continuar a provar que consigo ir mais longe do que realmente posso? Este vício tem que acabar. Antes de sair de casa fica a promessa no ar: Para a próxioma fico em casa! Vamos ver se a cumpro...

 

publicado por Psyhawk às 10:17

22
Nov 06

Tou cheio de dores no corpo, estou farto de espirrar, doi-me as mãos, os olhos não param de deitar lágrimas e segunda já me foi avisado vou ter que ir á apresentação dos 4 Taste! Quem? Os 4 Taste, uma banda de deficientes saidos dos Morangos. Estou sem pachorra, sem vontade....

Sei que depois até, se calhar, vou estar bem disposto e cheio de pica para estar na conversa, mas hoje a vontade é tão poucaaaaaaaaaaaaaa...

Já agora, quem quiser cozer os ouvidinhos com o rock parvo dos rapazinhos é no Hard Rock Café, na segunda feira, 27, depois das nove e trinta.

Venham e ajudem-me a superar o trauma!

 

publicado por Psyhawk às 23:11
sinto-me:

Amiga Vanda, como não atendes o telefone, parabéns. Já são 32. Chiça!
publicado por Psyhawk às 13:59

Novembro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
17

25

27
29


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO