Onde todos podem uivar o que quiserem... vejam por mim!

31
Mai 07
Pior do que ser surdo é não ouvir a razão. Todos sabemos que a verdade nem sempre sabe a bola de berlim, que por vezes é dura como um pão de 15 dias, e que é amarga como um licor que passou de data. Mas por vezes é a salvação, a alegria, o abrir dos olhos. Temo que, infelizmente, haja pessoas que temem que a verdade chegue. Que tenhamq ue enfrentar o que é real. Vivem do sonho e para o sonho... E quando acordam...
publicado por Psyhawk às 10:28

30
Mai 07

Há momentos que as pessoas deviam fechar a matraca. Era preferível o silêncio opressivo ou o barulho louco. Mas aquelas palavras podia estar guardadas. Dentro de uma caixa...de preferência no fundo de um oceano profundo!

São erros...sim, eu sei, mas será que há direito de dizer barbaridades aos gritos?

É como anunciar que pretendemos casar e na realidade a traição é o que mais abunda; Que somos ambientalistas e na realidade passamos o tempo todo a atirar papeis para o lixo...e até temos aquele casaco de raposa guardado no guarda-fato; Que queremos ter filhos mas não suportamos qualquer brincadeira mais infantil...

Há muitos...

Uns gritam-nos aos sete ventos, mas como são anónimos, passam relativamente em branco. Outros são juízes...

E esses sim, devem guardar as suas rídiculas opiniões para si mesmos. Ou melhor...nem as devem ter!

Há um senhor, que tenho a certeza que, apesar de fazer parte da magistratura portuguesa, sofre de sérias perturbações mentais. Vai dai, resolveu escrever um acordum sobre um caso de pedofilia.

Nesse papelito, que tenho a certeza tinha várias páginas, mencionava  um caso muito especial. Referia-se à violação repetida de  um rapaz de 13 anos por um velho nojento, de uma qualquer localidade perturbada desta pobre e estranha nação!, No dito papel, aquele famosos juiz, apregoava aos sete ventos que o pedófilo em questão, que molestou acriaça do sexo masculino não devia ter sido condenado a oito anos (que sabemos ser uma imensidão) mas sim a cinco. Por uam razão simples... é que o rapazito, quando estava a ser violado teve orgasmos e até erecções. Sinal por isso...de prazer!

Atenção, que continuamos a falar de uma violação... repetida...coerciva e exercída através do medo.

Mas como ele teve erecções e até já tem 13 anos... o pedófilo nem tinha feito assim tanto mal!

Aqui ficam umas perguntas para este senhor juíz. O senhor sabe o que quer dizer violação? Sabe o que é coerção? E como reage á simples imagem de um velho a manter realções sexuais, não concensuais, com um menor... uma criança?

Para si...pelos vistos está tudo ok!

São opiniões ridículas como esta que me espantam.

Ainda para mais, penso eu, vinda de uma pessoa que, deveria ter alguma cultura, e não um punhado de merda na cabeça.

Será que ele concluiu que o rapazito gostou?

Será que este juiz está mesmo bom da cabeça? Temo que não!

Só não sei o que é que ele ainda faz na magistratura nacional.

Alguém lhe oferece um tiro de mesericórdia?

 

publicado por Psyhawk às 21:42

28
Mai 07

 

Confesso que nunca fui grande apreciador do cinema feito aqui nneste continente. para mim falta-lhe qualquer coisa. Ok, escapam-se os feitos em Inglaterra...mas o resto...oh senhores! Porém, nunca deixei de espreitar quando a temática ou os actores me interessavam. O cinema made in Europa sempre teve para mim um mistério que nunca consegui deslindar...até que em conversa com a minha Super Babe, consegui chegar a uma conclusão.

Pelos vistos quando o cinema Europeu se denominou como vanguardista (o que deve ter acontecido para ai antes dos anos 40) traçou algumas regras importantes e que desde então raramente quebrou.

Estas são tão rígidas que por vezes até assustam. E se puxarem bem pela cabecinha verão que em todos os filminhos minimamante conhecidos e feitos aqui no burgo europeu, todos estes elementos estão lá:

Regras nº1- A apresentação, o trailer ou o teaser tem que ser sempre muito maus. Ninguém o pode negar. São maus. Normalmente imperceptíveis, sem qualquer rasgo verdadeitro da história que vai ser contada e mostrando imagens soltas, onde predominam os palavrões e eventualmente uma cena de sexo sem lógica. A imagem é escura, chata e os diálogos abafados pelo som do silencio. Mais, ao contrário de qualquer outro trailer, deve ser curtíssimo e de preferência ter referência a um prémio qualquer, nem que seja dado lá no bairro.

Regra nº2- Tem que haver sempre uma cena de sexo. Não importa se é comédia, drama ou qualquer outro género...até pode ser um documentário. Mas tem que haver sempre, mas mesmo sempre, uma cena de sexo, muitas vezes despropositada. Se for um drama ou um filme violento os actores devem quase violar-se. Mais, a cena de sexo deve ser colocada num contexto imperceptível ou inútil para a história ou enredo. Ou então ser a própria história. Ou seja ser um filme porno...mas de arte!

Regra nº3- O silêncio tem que ser mesmo de ouro. A cena até pode ser hilariante, haver mil e uma explosões pelo meio, mas eventualmente em qualquer filminho, da primeira à quarta categioria tem que haver um silêncio ilógico no filme. A sua verdadeira importância escapa a qualquer um (até ao realizador) mas o certo é que como mandam as regras, tem que lá estar.Até no meio de um diàlogo.

Regra nº4- o som tem que se abafado. Segundo se decidiu por estes lados do Atlântico, com raras expeções...talvez os filmes ingleses...o som da película, digital ou analógica, tem que ser sempre meio abafado e as pessoas devem comer pelo menos 20 por cento das suas falas...ou então dizê-las tão depressa que na tradução (sim que nós por cá adoramos a bela legenda) não será possível colocá-las. Nestas alturas acabamos de perder a verdadeira razão ou explicação para o enredo. É que essa fala é que explicava tudo...e ficou de fora!

Regra nº5- Se o filme for português tem que haver um nú frontal. Manoel Oliveira, Leonel Vieira...eu sei lá... em qualquer um aparece sempre alguém ou com o pirilau de fora ou com a pachachinha à mostra. Não interessa. E atenção...é importante que a cena seja completamente supérfula para a acção e que só esteja por ali para mostrar que em Portugal os actores também se despem.

publicado por Psyhawk às 21:21

O que mais me irrita não é propriamente a incapacidade de não fazer nada...mas a negação de um evento em si mesmo.
publicado por Psyhawk às 11:26

27
Mai 07

Quais autoestradas; quais 200 quilómetros hora.

Ponham como quiserem, o Algarve, continua longe.

Lembro-me que em pequeno passava metade do tempo a perguntar: "quando é que chegamos?" E hoje, acho que embora não diga penso muitas vezes: "porque raio ainda não chegámos?"

A verdade é que a viagem para o Algarve é uma seca. São horas e horas sentado sem fazer nenhum. E quando a companhia não é perfeita então é mesmo uma razia mental.

O Algarve é longe e não há nada a fazer.

 Ok, podemos sempre meter-nos num avião, mas a verdade é que isso só serve para quem tem a bolsinha mesmo cheia. Para o resto o popó continua a ser a melhor hipótese. A camioneta e o combioi as seguintes! Mas mais tormentosas!

E o pior é que a viagem é chata em todos os sentidos. Então na auto estrada! Não há nada parea ver. É como um filme do Manoel de Oliveira...dos piores (mas há bons?)É montinho, campo seco, meia dúzia de vacas ou ovelhas tresmalhadas e mais nada. O resto é estrada, alcatrão e placas a anunciarem números impensáveis para a nossa cabeça, que há mais de 15 minutos estoirou!

Pelo menos para o norte as coisas sempre são mais saudáveis. Há verde, casinhas, cidades, aldeias...e pode-se sempre parar algures e deixar a nossa martiriante viagem ficar de lado. Mas para o Sul...oh drama!

E as bombas de gasolina... que tormento. Gente a montes, empregados lentos como um caracol, criancinhas a berrar, comida plástica... mas má, e preços que são um tormento.

 

A única coisa que nos faz mesmo ir para aquele sítio é a praia...ou o trabalho. Porque o Algarve, quer se queira quer não é longe para burro!

Tenho dito

Maldito sábado!

publicado por Psyhawk às 10:47

25
Mai 07

Já viram que o Tiago Felizardo até teve sorte?

É que levou 72 pontos! Nós na Eurovisão nem um levámos!

publicado por Psyhawk às 19:52

A experiência vai ditando umas coisas.

E porque acho que partilhar está na ordem do dia fica aqui um resumo do que fazer...e do que não fazer num belo espectáculo ao ar livre...ou num pavilhão...ou...caso calhe, num estádio.

1- És alto? Não?  Então corre. É preferível apanhar uma seca e chegar mais cedo do que passar o tempo todo a olhar para os ecrãs ou a tentar ganhar mais uns centimetros aos pulinhos. Mais, pode-se ter a sorte de chegar mesmo cedo e ficar, naquela área especial dos 1000 primeiros e ter uma série de benesses, como poder ir à casa de banho sempre que quiseres sem perder o teu lugar lá na frente. Acredita, nesses dias dá tanto jeito!

2- É alto? Se a resposta é sim então meu amigo, resigna-te e chega tarde. Mais...não vás de todo...os baixos tem direito a ver o espectáculo e não a ver as tuas costas, cabelo e sovaco! Percebeste?

3- Levas a cara metade? Se for para verem o espectáculo a dois, aconselho que fiquem perto do palco. Vê-se melhor, sabe melhor e a emoção pode levar a que depois...ai depois...

4- Levas a cara metade? Levas e ele ou ela não gosta? Então que tal um de vocês ficar em casa e não ir chatear os outros? Para ocupar espaço já lá está a multidão que realmente quer ver o concerto! Gente chata é que não. Bem basta o tempo de espera em pé!

5- E a comidinha?...Pois... é bom que a comas toda antes de entrares no estádio ou seja lá onde for, porque caso contrário vai para toda ao lixo. As novas regras ditam que se queres comer tens mesmo que gastar dinheiro dentro do recinto a encher-te de merdum! O resto...o resto fica no lixo para dar aos pobrezinhos! NOT

6- Tens  máquina fotográfica? Optimo...mas só se for mesmo boa. Porque para estares a chatear os outros a tirar fotos ao ar, esquece! É giro uma foto ou outra, mas tapar a vista aos outros e perder o concerto por causa da merda da foto...só se tiveres memória de passarinho.

7- Queres ir gira/o? Esquece. Opta pelo prático. Saltos e roupa da moda é mesmo para gente parola. Que tal uns ténis, calças largas e desportivas. Garanto-te que a passagem de modelos não é definitivamente ali!

8- E agora...aproveita para pôr a paciência a funcionar. Porque esperar é a regra número um destas coisas. E não vale a pena empurrar, protestar e espernear. Vais esperar na mesma...quer queiras ou não!

8- E agora...já agora...em vez de caires de pobre de bêbado e todo charrado...que tal um concerto mesmo ahm?

E aqui estão algumas dicas. Não ficaram satisfeito? Pode ser que se arrangem mais para a próxima!

publicado por Psyhawk às 19:36

 

Confesso, desde já, que B'Day, o último CD da cantora não me deixou de ouvidos à banda. Quem se lembra de ler aqui o que achei do longa duração da cantora, verá que achei uma canção ou outra inspirada, mas que o resto achei frio, sem emoção e demasiado gritante.

Ao vivo...isso não existe.

A verdade é que comprei o bilhete para ver esta senhora há já um bom par de meses. Foi a curiosidade que me motivou a espreitar a Beyonce Experience. E o que vi deixou-me de boca aberta. Do primeiro ao último minuto o espectáculo é assombrante e Beyonce não grita...canta...mesmo! Ok, há canções que tiveram de ser encurtadas e outras levaram arranjos para que as back vocals (bem gordinhas por sinal) dessem uma ajuda, mas a verdade é que Beyonce é uma artista de uma excelente voz e poder de entertenimento e tanto. E nos dias de hoje é isso que vale... o resto  são patacos.

De Crazy in Love, passando por Beautiful Lair,  Baby Boy, Irreplaceable, todos os hits foram passando pelos meus ouvidos... e com um som excelente!

Mas o melhor mesmo, para além de Get Me Bodied e, como já referi, Irreplaceable, foi mesmo o medley Destiny's Child, que a meu ver nunca se deveriam ter separado.

Francamente, um dos melhores espectáculos do ano...

E depois há aquele corpo...

Mas isso ocuparia pelo menos mais 20 páginas e não vale a pena excessos!

Mas para quem quiser tirar as medidas fica aqui uma valente foto

publicado por Psyhawk às 19:25

24
Mai 07
Depois e longos meses afastado da festaria deste país, eis-me de volta. Estou a escrever num pequenito espaço na minha, cada vez, mais complicada agenda. Festaria é o que não falta neste pais. Gente louca também não. Basta ver a senhora Mercê Romero, que ontem á noite saiu disparada de uma festa, meio enlouquecia, como se a tivesse picado centenas de abelhas carnívoras. Até as amigas que estavam com ela iam indo pelo ar. Foi tal a fuga que pensei que ia acontecer uam tragédia pelas escadas abaixo do Buddha. Medo, medo, medo!
publicado por Psyhawk às 10:32

23
Mai 07

Não consigo planear nada. Tudo me foge do controlo. Quero férias, férias férias, férias...

Mas até essas tão uam complicação para combinar. Atinem-se! Que o meu cérebro foi-se!

publicado por Psyhawk às 19:06

Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

17
19

20
26

29


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO