Onde todos podem uivar o que quiserem... vejam por mim!

28
Jul 08

O que vão ler a seguir é a cópia de um e-mail que me chegou via a minha colega Ana que me fez rebolar no chão a rir. Vivam os anos setenta. Cambada de meninos este séculos XXI

As diferenças de 30 anos...


Situação: O Pedro está a pensar ir até ao monte depois das aulas, assim que entra no colégio mostra uma navalha ao João, com a qual espera poder fazer uma fisga.

Ano 1978: O director da escola vê, pergunta-lhe onde se vendem, mostra-lhe a sua, que é mais antiga, mas que também é boa.

Ano 2008: A escola é encerrada, chamam a Polícia Judiciária e levam o Pedro para um reformatório. A SIC e a TVI apresentam os telejornais desde a porta da escola.

Situação: O Carlos e o Quim trocam uns socos no fim das aulas.


Ano 1978: Os companheiros animam a luta, o Carlos ganha. Dão as mãos e acabam por ir juntos jogar matrecos.

Ano 2008: A escola é encerrada. A SIC proclama o mês anti-violência escolar, O Jornal de Notícias faz uma capa inteira dedicada ao tema, e a TVI insiste em colocar a Moura-Guedes à porta da escola a apresentar o telejornal, mesmo debaixo de chuva.

Situação: O Jaime não pára quieto nas aulas, interrompe e incomoda os colegas.


Ano 1978: Mandam o Jaime ir falar com o Director, e este dá-lhe uma bronca de todo o tamanho. O Jaime volta à aula, senta-se em silêncio e não interrompe mais.

Ano 2008: Administram ao Jaime umas valentes doses de Ritalin. O Jaime parece um Zombie. A escola recebe um apoio financeiro por terem um
aluno incapacitado.

Situação: O Luis parte o vidro dum carro do bairro dele. O pai caça um cinto e espeta-lhe umas chicotadas com este.


Ano 1978: O Luis tem mais cuidado da próxima vez. Cresce normalmente, vai à universidade e converte-se num homem de negócios bem sucedido.

Ano 2008: Prendem o pai do Luís por maus tratos a menores. Sem a figura paterna, o Luís junta-se a um gang de rua. Os psicólogos convencem a sua irmã que o pai abusava dela e metem-no na cadeia para sempre. A mãe do Luís começa a namorar com o psicólogo. O programa da
Fátima Lopes mantém durante meses o caso em estudo, bem como
o Você na TV do Manuel Luís Goucha.

Situação: O Zézinho cai enquanto praticava atletismo, arranha um joelho. A sua professora Maria encontra-o sentado na berma da pista a
chorar. Maria abraça-o para o consolar.


Ano 1978: Passado pouco tempo, o Zézinho sente-se melhor e continua a correr.

Ano 2008: A Maria é acusada de perversão de menores e vai para o desemprego. Confronta-se com 3 anos de prisão. O Zézinho passa 5 anos de terapia em terapia. Os seus pais processam a escola por negligência e a Maria por trauma emocional, ganhando ambos os processos. Maria, no desemprego e cheia de dívidas suicida-se atirando-se de um prédio. Ao aterrar, cai em cima de um carro, mas antes ainda parte com o corpo uma varanda. O dono do carro e do apartamento processam os familiares da Maria por destruição de propriedade. Ganham. A SIC e a TVI produzem um filme baseado neste caso.

Situação: Um menino branco e um menino negro andam à batatada por um ter chamado "chocolate" ao outro.


Ano 1978: Depois de uns socos esquivos, levantam-se e cada um para sua casa. Amanhã são colegas.


Ano 2008: A TVI envia os seus melhores correspondentes. A SIC prepara uma grande reportagem dessas com investigadores que passaram dias no
colégio a averiguar factos. Emitem-se programas documentários sobre jovens problemáticos e ódio racial. A juventude Skinhead finge revolucionar-se a respeito disto. O governo oferece um apartamento à família do miúdo negro.

Situação: Tens que fazer uma viagem.


Ano 1978: Viajas num avião de TAP, dão-te de comer, convidam-te a beber seja o que for, tudo servido por hospedeiras de bordo espectaculares, num banco que cabem dois
como tu.

Ano 2008: Entras no avião a apertar o cinto nas calças, que te obrigaram a tirar no controle. Enfiam-te num banco onde tens de respirar fundo para entrar e espetas o cotovelo na boca do passageiro ao lado e se tiveres sede o hospedeiro maricas apresenta-te um menu de bebidas com os preços inflacionados 150%, só porque sim. E não protestes muito pois quando aterrares enfiam-te o dedo mais gordo do mundo pelo cú acima para ver se trazes drogas.

Situação: Fazias uma asneira na sala de aula:


Ano 1978: O professor espetava duas valentes lostras bem merecidas. Ao chegar a casa o teu pai dava-te mais duas porque "alguma deves ter
feito"

Ano 2008: Fazes uma asneira. O professor pede-te desculpa. O teu pai pede-te desculpa e compra-te uma Playstation 3.

Situação: Chega o dia de mudança de horário de Verão para Inverno.


Ano 1978: Não se passa nada.

Ano 2008: As pessoas sofrem de distúrbios de sono, depressão e caganeira.

Situação: O fim das férias.


Ano 1978: Depois de passar 15 dias com a família atrelada numa caravana puxada por um Fiat 600 pela costa de
Portugal, terminam as
férias. No dia seguinte vai-se trabalhar.

Ano 2008: Depois de voltar de Cancún de uma viagem com tudo pago, terminam as férias. As pessoas sofrem de distúrbios de sono,
depressão, seborreia e caganeira.

publicado por Psyhawk às 22:31

Confesso que comprar casa acabou por ser muito menos excitante do que estava à espera. Ok, foi giro e tal achar a tal. Foi engraçado e coiso ver como pôr moveis e outras coisas do género. Mas a parte dos bancos...isso é que já não teve a minima piléria. E a conservatória? Isso então foi sono total? Ou irritação plena!

Sei lá. Eu só sei que ao fim ao cabo dei por mim a pensar que devia ter roubado o dinheiro a um ricaço qualquer, que existe para ai no pais- tipo como fez o tal do Caldeira- fugir para os States e divertir-me uns meses...em vez de andar a fazer o tempo todo contas de cabeça para não ser gamado por ninguém.

 

Não é o pagar que custa..é o sxer extorquido. Porque onde é que já se viu ter que pagar mais de 120 euros por uma folha de papel num notário??? Hello????????? Eu sou jornalista e faço folinhas de papel à brava. Se eu ganhasse assim, tipo...já nem digo á página...mas ao artigo já me tinha casado com a Paris Hilton! Ok...pessoa errada...mas pelo menos com uma gaja gira e boa... e viajado pelo mundo inteiro!

 

Bem...quase dez horas

Ora lá vou eu ser extorquido mais um bocadinho...

Agora é para pagar ao advogado...

Pobre de mim!

publicado por Psyhawk às 22:19

24
Jul 08

Esta é a minha terceira tentativa de por isto com outro ar....

E ainda não sei o que escolher...

publicado por Psyhawk às 23:56

 

Custou mas foi

Depois de pagar mil e uma coisas- porque este pais é só gente a chupar dinheiro para as burocracias fiquem a saber que partir de hoje sou PROPRIETÁRIO

A casa fica já ali...atrás daqueles arbustos!

 

publicado por Psyhawk às 23:52

Sorriem às 9; uma hora e meia depois estão de trombas. Uns segundos depois estão tão bem dispostas que até irritam.

A seguir querem ser os teus melhores amigos e dar-te os melhores conselhos do mundo. Mas eis que resolves perguntar o que se passa. Afinal a esquisiofrenia não é uma doença rara. Do outro lado a pessoa torna-se agressiva, deixa-te de falar e depois já te odeia. Para ao fim do dia estar contigo como se nada se passasse.

 

Eu sei que há pessoas confusas, aborrecidas, que acordam de manhã viradas para este e vão virando para oeste hámedida que o sol vai rodando no horizonte, e que para cúmulo não sabem escolher o humor em que andam; mas irrita-me solenemente este género de gente que acha que além disso deve comandar as emoções dos outros só porque sim.

 

eh pá curem-se

publicado por Psyhawk às 11:30

23
Jul 08

Corre para a direita. Corre para a esquerda.

Passa horas de seca.

Esquece-se de almoçar e janta a horas pouco próprias para seres humanos. Tem uma vida caótica e sempre cheia de transformações raramente planeadas.

Alguém me explica porque é que eu não estou já esbelto, magro e maravilhoso?

publicado por Psyhawk às 10:35

21
Jul 08

Nas próximas semanas não se espantem se isto mudar de visual umas quantas vezes. Ando a ver novos looks e até agora nada me agradou muito.

Vamos ver no que é que isto dá.

Este é o primeiro

publicado por Psyhawk às 00:13

20
Jul 08

Aos 33 anos não tenho tempo para perder com programas a meio termo. A fase não é recente mas cada vez acho a vida mais preciosa e não admito deixar-me aborrecer, chatear ou  deprimir com algo que podia ter sido absolutamente fabuloso...

É como se me estivessem a roubar anos de vida.

 

 

E a verdade é que sinto que já perdi alguns. Deixei-me embrulhar por desejos, por vaidades, por coisas que realmente não importavam e aos poucos fui perdendo o meu rumo. Fui deixando-me viver sem realmente aproveitar. Sem realmente escolher e crescer...

 

Se bem que nunca quis ter uma vida comum também não queria perder a carruagem. Mas viver neste meio termo não é fácil e o compromisso que obtemos com nós próprios nem sempre me facilitou a vida.

 

Por exemplo, deixei o meu coração empedrecer para não me magoar mais. Já nem sei há quanto tempo não me apaixono de verdade. Que sinto o coração bater à velocidade da luz e quase explodir. Ás vezes ele dá sinal, mas depois é abafado pelas curcunstâncias da vida... que levam sempre a melhor.

 

E agora que penso...fazia-me bem voltar a sentir cheio de borboletas no estômago, e com uma vontade de viver para alguém...

 

Por outro lado quis aproveitar a vida o mais possível. gozar cada segundo, seguir as modas, ver o que me rodeava, viajar (embora nunca até muito longe)... mas sem exagerar (terá sido esse o mal?). Dei por mim por um lado a ser criticado por não crescer e por outro por querer ser alguém que não sou. Hoje, por vezes penso que nem sei bem quem sou eu.

Se vou para a esquerda ou para direita...

 

Dei passos errados nas horas certas e passos certos nas horas erradas. Frase cliché sem dúvida mas que me marcaram muito os últimos anos.

 

Ora vejemos...só agora saio de casa, mas pelo menos faço-o de barriga cheia e com vontade. Por outro lado deixo o conforto a que me habituei numa hora que talvez, as pessoas que me rodeiam mais precisam de mim...

 

Sinto-me a viver no limbo da vida.

Numa neblina sem fim e para a qual não existem janelas, luzes ou quaisquer pontos de poio.

Gostava de lá sair...de fugir para longe e aprender a ser quem sou e a viver como quero.

 

Mas a cabeça está confusa, os medos são muitos...

 

publicado por Psyhawk às 23:49

16
Jul 08

Oh como este local (falo da Quinta da Fonte, como está no título) se tornou rapidamente tão conhecido dos portugueses. Outrora um gueto, perdido nos limiares de Lisboa- não no centro da capital como vi alguns noticiários anunciar- agora local de notícias de faroeste.

Quem disparou, os porquês, quem fugiu, os refugiados... e até o autor do video caseiro, tudo são pormenores deliciosos para os nossos telejornais, e claro para o nosso adorado público. Um público que rapidamente tomou as suas conclusões. Nem quiseram ver muito mais. Bastaram meia dúzia de imagens e pronto: toca a julgar. E a  conclusão... ouvi-a no autocarro: a culpa é dos brasileiros. Eles é que inventaram estes crimes e eles é que deviam pagar...

 

Ora ai está uma opinião formada.... não se sabe bem de onde.

Ok, verdade que lá do outro lado do Atlântico, naquela terra a que já chamaram de Vera Cruz, gosta tudo de andar ao tiro por qualquer motivo. A naifada também é bastante conhecida e os espancamentos na rua uma coisa trivial.

Porém, o que este senhor...sim foi um senhor... se esqueceu foi que a culpa não podia ser atribuida assim, sem mais nem menos. Porque se formos bem a ver não foram bem os brasileiros a importar esta nova modalidade de crime. Sim...basta a olhar para a televisão. Ainda não perceberam? A culpa é dos americanos. Deram-nos demasiados faroestes! E o pessoal agora quer  brincar aos cowboys

publicado por Psyhawk às 00:50

14
Jul 08

 Às vezes sinto-me vazio. Uma espécie de vacuo que não passa e que me leva a interrogar se vale a pena eu andar para aqui a gastar oxigénio?! 

publicado por Psyhawk às 23:06

Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

15
17
18
19

22
25
26

27
29
30
31


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO