Onde todos podem uivar o que quiserem... vejam por mim!

20
Jul 08

Aos 33 anos não tenho tempo para perder com programas a meio termo. A fase não é recente mas cada vez acho a vida mais preciosa e não admito deixar-me aborrecer, chatear ou  deprimir com algo que podia ter sido absolutamente fabuloso...

É como se me estivessem a roubar anos de vida.

 

 

E a verdade é que sinto que já perdi alguns. Deixei-me embrulhar por desejos, por vaidades, por coisas que realmente não importavam e aos poucos fui perdendo o meu rumo. Fui deixando-me viver sem realmente aproveitar. Sem realmente escolher e crescer...

 

Se bem que nunca quis ter uma vida comum também não queria perder a carruagem. Mas viver neste meio termo não é fácil e o compromisso que obtemos com nós próprios nem sempre me facilitou a vida.

 

Por exemplo, deixei o meu coração empedrecer para não me magoar mais. Já nem sei há quanto tempo não me apaixono de verdade. Que sinto o coração bater à velocidade da luz e quase explodir. Ás vezes ele dá sinal, mas depois é abafado pelas curcunstâncias da vida... que levam sempre a melhor.

 

E agora que penso...fazia-me bem voltar a sentir cheio de borboletas no estômago, e com uma vontade de viver para alguém...

 

Por outro lado quis aproveitar a vida o mais possível. gozar cada segundo, seguir as modas, ver o que me rodeava, viajar (embora nunca até muito longe)... mas sem exagerar (terá sido esse o mal?). Dei por mim por um lado a ser criticado por não crescer e por outro por querer ser alguém que não sou. Hoje, por vezes penso que nem sei bem quem sou eu.

Se vou para a esquerda ou para direita...

 

Dei passos errados nas horas certas e passos certos nas horas erradas. Frase cliché sem dúvida mas que me marcaram muito os últimos anos.

 

Ora vejemos...só agora saio de casa, mas pelo menos faço-o de barriga cheia e com vontade. Por outro lado deixo o conforto a que me habituei numa hora que talvez, as pessoas que me rodeiam mais precisam de mim...

 

Sinto-me a viver no limbo da vida.

Numa neblina sem fim e para a qual não existem janelas, luzes ou quaisquer pontos de poio.

Gostava de lá sair...de fugir para longe e aprender a ser quem sou e a viver como quero.

 

Mas a cabeça está confusa, os medos são muitos...

 

publicado por Psyhawk às 23:49

Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

15
17
18
19

22
25
26

27
29
30
31


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO